desenho e design

1 Contorno e Gestualidade

BREVES QUESTÕES TÉCNICAS SOBRE SUPORTES E RISCADORES

Os instrumentos para riscar reúnem uma panóplia extensa de objectos distribuídos em dois grupos principais. O primeiro conjunto caracteriza uma tipologia própria do riscador directo, no qual aplicador e matéria riscante constituem um único elemento. Fazem parte dos riscadores directos o carvão, a grafite, o pastel, etc. O material riscante adquire a forma e a finalidade da sua utilização primordial. O carvão pertence a este grupo, seguramente, é o riscador mais antigo inventado pelo homem.
O riscador é obtido directamente a partir de substâncias de origem vegetal e mineral, ou através do seu melhoramento, passando pelas operações de moagem e calibração das partículas que constituem a matéria prima. Em estado pulverulento, estas são aglutinadas em óleo, cera ou por pressão e aumento de temperatura, atingindo o aspecto final que, a título de exemplo, as minas de grafite apresentam.
No segundo grupo de riscadores integram-se os instrumentos em que coexistem aplicador e substância riscante, como no caso do aparo ou do seu moderno sucedâneo a caneta de feltro. A diferença evidente entre os dois resulta da duração do tempo de carga dessa substância. Para além desta constatação, independentemente do conjunto a que pertençam os instrumentos escolhidos, o que mais interessa relativamente aos riscadores,
resume-se à propensão de um certo sentido plástico específico, que a sua utilização pode iniciar ou favorecer.
Se o desempenho expressivo é uma pertença do autor, os vulgares riscadores em conjunto com os suportes de registo resumem uma entrada, que amplifica o caminho do ensaio e da criação no campo do desenho. Suportes e riscadores são a face ou o registo físico das deambulações construtivas tão caras ao desenho.
Em desenho, acentua-se ou nivela-se seguindo as formas presentes ou imaginadas, dirigindo conceptualmente o sentido plástico da criação e usando os recursos (suportes e riscadores), centrados para o desempenho que mais se aproxima à construção expressiva em cada autor.

Com o objectivo de explorar a natureza expressiva dos riscadores indicados, realize os movimentos propostos – Segmentar; Circular; Circular Segmentar.

Instrumentos e meios Directos – Grau de dureza e gama – Opacidade e transparência

1carvao.jpg

1grafite7.jpg

Instrumentos e meios de carga reduzida e contínua , grau de opacidade e gama

1nanquim2.jpg

1feltro3.jpg

Estes exercícios equivalem a uma certa ginástica de aquecimento, melhorando a motricidade fina, a destreza e a interacção mão / visão. Todos os músicos aplicam exercícios equivalentes para alcançarem os melhores níveis de perfomance. Claro que a procura do sentido da vida será sempre o exercício fundamental

1. Contorno e Gestualidade

1.1 Desenho de Contorno. Sentido da Configuração. Separação Forma | Fundo  – Grafite | Carvão | Marcador

1.2 Sobreposição de Contornos. Sentido Multi-Configuração. Relação Compositiva  – Grafite | Carvão | Marcador

Atitudes e Estratégias de registo

Escolha um local próximo dos modelos e inicie a série de desenhos de estudo de configuração dos elementos apresentados. O contorno é o resultado do registo das formas seguindo as respectivas configurações. Para contornar ou registar a linha que separa a forma do fundo, pois é esse o objectivo específico pretendido no presente exercício, aproxime os eixos de observação da cena e do suporte de desenho. Escolha um ponto pertencente à fronteira das formas e inicie o traçado de correspondência entre a linha de configuração visualizada e a linha de contorno desenhada.
Enquanto desenha, mantenha o olhar sempre sobre o modelo. Apesar das dificuldades sentidas de início, com o tempo, mão e visão responderão a uma só voz…

Estes exercícios devem ser realizados com tranquilidade, concentração e tempo! Não apresse o traço. Observe com atenção e ao mesmo tempo desenhe suave e lentamente as linhas de contorno que enunciam as múltiplas formas apresentadas.

Outra estratégia interessante para desenvolver o controlo necessário ao incremento da expressão gráfica, passa por realizar os ensaios ora desenhando com a mão direita, ora com a mão esquerda. Esta estratégia é válida e aplicável nos grupos de exercícios preconizados :

1 Contorno e Gestualidade | 2 Compreensão da Gestualidade – Nivelamento e Acentuação | 3 Peso e Modelação | 4 Evocação

21.jpg

> Com estes exercícios pretende-se melhorar o desempenho de interacção corporal (não esqueça que o principal instrumento de desenho é o próprio corpo!? )

Recursos Materiais

Riscadores:
Grafite – Lápis ou lapiseira com mina 3B. Afiado como se ilustra.

Carvão – Natural ou prensado. Grau “Soft”. Usar uma lixa para afiar em bisel.

Marcador Preto – Feltro grande, ponta em bisel ou redonda.
Suportes:
Papel “cenário” – 46 x 36cm

Acessórios – Lixa e Lâmina para cortar, afiar (vulgo XActo)

Mapa de trabalho

> No primeiro tema, sobre o contorno e a gestualidade, apresentam-se dois níveis de exercícios:

1.1 Desenho de Contorno. Sentido da Configuração. Separação Forma | Fundo   >  6

Orientado estritamente para o desenho do contorno das formas, desenvolve-se o sentido da configuração patente nos objectos. A partir da separação entre forma e fundo pretende-se entender o sentido conceptual da linha enquanto elemento de identidade e construção morfológica. Dos modelos seleccionados, apresentar 9 exercícios desenhados – 2 a grafite, 2 a carvão e 2 a marcador de feltro, como proposto anteriormente no Mapa de Trabalho, realizados sobre as dimensões e o suporte indicado (36x36cm).

Ex.: Desenho 1.1.2

35.jpg

1.2 Sobreposição de Contornos. Sentido Multi-Configuração. Relação Compositiva >  6

Forma | Fundo
Organizar o espaço e o tempo como coordenadas do ver e da compreensão visual. Associando-se ao desenho orientado para a separação forma / fundo, o entendimento e o registo da multi-configuração como uma noção de contorno pleno, que abrange o sentido tridimensional das formas. Em simultâneo explora-se com o olhar e o riscador as relações internas (intra-configuração) e externas (extra-configuração) entre as formas e o espaço. Dos modelos seleccionados, apresentar 9 exercícios desenhados – 2 de cada (grafite, carvão e marcador de feltro, como apresentado anteriormente no Mapa de Trabalho. A realizar sobre dois tipos de papel, nas dimensões indicadas (36x36cm).
Ex.: Desenho 1.2.1 | 1.2.2

14.jpg

Caneta de feltro s/guardanapo de papel

Porto Santo Páscoa, 2010. Grafite s/ papel Velin Ivoire

Porto Santo Páscoa, 2010. Grafite s/ papel Velin Ivoire

Porto Santo Páscoa, 2010. Grafite s/ papel Velin Ivoire

< >

3 Respostas

Subscribe to comments with RSS.

  1. Ana Maria said, on 29 de Junho de 2009 at 21:29

    Parabéns pela qualidade do site

    • Celso Caires said, on 7 de Julho de 2009 at 0:51

      Cara Ana Maria, muito obrigado pela sua referência.

      • Celso Caires said, on 7 de Julho de 2009 at 1:06

        Cara Juliana de Souza fico contente pelo facto da informação aqui apresentada possa servir de alguma utilidade para os trabalhos que conduz. Saudações


Deixar uma resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

WordPress.com Logo

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Log Out / Modificar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Log Out / Modificar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Log Out / Modificar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Log Out / Modificar )

Connecting to %s

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

Junte-se a 50 outros seguidores

%d bloggers like this: