desenho e design

6.1 Perfis / Secções. Alterações da aresta base – Quina, Chanfro e Boleado

Print

Variantes Boleado | Chanfro ou bisel | Quinado

Secções de Varão

Secções de Tubo

Por questões de ergonomia de uso ou complemento de definição de uma linha formal, as arestas ( quinas) são convertidas frequentemente em chanfros ou boleadas.

Uma chanfradura é uma técnica pela qual se executa um chanfro, ou seja, um corte numa aresta de um corpo sólido, normalmente a 45º caso ambas as peças façam um ângulo de 90º entre si.

Outra variante base consiste em substituir a aresta original e as zonas contíguas, por uma porção de superfície curva. Esta operação corresponde à acção de bolear.

Os programas de ilustração vectorial, como o Illustrator (1), apresentam operadores semi-automáticos para desencadear procedimentos representação projectiva dessas variantes de acabamento.

A cadeira a que se refere o presente tutorial apresenta arestas boleadas a partir da transformação de um rectangulo em rectangulo arredondado e aplicaram-se os passos do procedimento que de seguida se apresenta.

De facto, o caso das formas rectangulares o Illustrator apresenta um operador para bolear os respectivos lados (arestas projectadas), com controlo paramétrico do elemento a bolear, a partir da Altura, do Comprimento e do raio.

6.1.1 Elemento Rectangular Boleado ou Rectangulo arredondado

1nivel

> Desenhar um rectangulo > Effect | Convert to Shape | Rounded Rectangle.

2nivel

> No quadro Shape Options proceder ao preenchimento desejado.

3 nivel

Para transformar o resultado numa configuração directamente editável, deverá através de Object | Expand Appearance definir o contorno exterior em elemento final .

4 nivel

A forma resultante assemelha-se à sua equivalente aquando da utilização da primitiva de interpretação poligonal (Rectângulo Boleado), embora com maior controlo paramétrico.

6.1.2 Edição ponto a ponto da configuração base

Edita-se manualmente a partir de polígonos compostos. Adicionam-se pontos e altera-se a natureza geométrica dos respectivos segmentos, de rectilineo para curvilineo como no exemplo apresentado. A partir do presente caso deduz-se a relação construtiva directa entre os três acabamentos base: Quina, Chanfro e Boleado.

Outro aspecto interessante reside na modelação da luz sobre a configuração de cada acabamento. Uma plasticidade formal diferente implica resultados distintos entre a  dureza e a suavidade volumétrica dos elementos / objectos projectados.

manual

6.1.3 Definição de contorno offset em quina, em boleado e em chanfro

Outra opção no leque de transformadores de linha centra-se em Effect > Path > Offset Path. Aplicando este operador pode configurar nos pontos de uma linha comportamentos definidos: Quinado, Boleado e Chanfrado > Joins: Miter / Round / Bevel.

path1

Elemento de origem e transformação offset em quina.

path2

Contorno offset boleado e em chanfro.

6.1.4 Transformação de linha em perfil boleado não offset

l1a

Definir uma linha, atribuindo uma dada espessura. Em Effect > Path > Offset Path seleccionar uma tipologia nodal (joins > Round) e introduzir um valor numérico na respectiva caixa.

l4

Depois de aplicar o operador Object > Expand Appearance, bastará retirar o preenchimento da linha para obter a forma de contorno dessa linha. Entre as inúmeras aplicações no domínio do desenho, destaca-se o controlo simplificado, mas preciso, entre linhas de síntese nodal e  silhuetas finais, assim como a tipologia das respectivas ligações.

6. 1. 5 Propriedades segmentares através da janela Window > Stroke

Resultados semelhantes e em menor tempo podem ser obtidos através do quadro activado a partir da linha de menu Windows > Stroke.

as1

Desenhe uma linha e a partir do quadro stroke. Pode atribuir a espessura da linha em mm (neste caso 20mm), permitindo um controlo mais preciso da escala dos elementos, també pode indicar o comportamento nodal do segmento.

as2

Linha com extremidades boleadas e, seguidamente todos os nódulos com transições boleadas. Ainda dispõe de outras opções de transição.

m

Esta abordagem é muito prática no desenho de tipos, como se ilustra no presente exemplo.

m1

Quando o resultado articular é o desejado converte-se através do operador Object > Expand Appearance a forma / silhueta final.

(1) Os programas destinados à área da ilustração vectorial como o Illustrator, o Corel, etc., não sendo programas tipo CAD, em virtude de uma menor assistência computadorizada, permitem operações de grande precisão na área do projecto.

As explicações apresentadas nesta tira, focalizam uma certa autonomia que o autor pode atingir na realização de peças desenhadas, sem recorrer à importação de elementos construídos em programas tipo CAD. Por outro lado, a natureza da linguagem gráfica desenvolvida numa ilustração, deve estabelecer um universo plástico para além do quadro normativo da regulação técnica habitual.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: